Seguindo nossas meditações sobre o melhor jeito de se viver, hoje vamos refletir sobre uma atitude fundamental para crescermos na vida e sermos felizes: aprender com os erros.  Você sabia que muitos dos sofrimentos pelo qual passamos vêm do fato de que tendemos a repetir os mesmos erros constantemente? Repetimos e repetimos sem perceber que estamos errando e assim deixamos passar a oportunidade de aprender com eles. Isso precisa mudar!

Precisamos reconhecer o problema para aprender com os erros

Na prática, aprender com os erros não é tão fácil, não acontece tão rapidamente. É algo que exige muita reflexão sobre nossas atitudes. Lembro-me de uma mãe que, certa vez, veio falar comigo para me pedir ajuda. Ela era consciente de que não conseguia ter paciência e não segurava suas palavras. Cada vez que seus filhos brigavam ou lhe provocavam ela estourava, perdia a paciência e a compostura, gritava e ameaçava. Depois, é verdade, se arrependia profundamente, mas em seguida repetia o mesmo comportamento.  

É uma mulher boa e competente, formada em administração, trabalha numa empresa importante e queria ter tudo organizado na sua vida. Ela lutou muito para ter também controle e organização na sua família. Porém, ela não sabia lidar com as situações que chegavam de improviso. Nesses momentos todos seus pensamentos sobre autocontrole, pedagogia e disciplina saltavam pelos ares.

O que essa mulher fez para aprender com os erros? Ela parou e refletiu. Ela preparou um plano detalhado para colocar limites e regras em casa, se preparou – ela mesma, mentalmente – para enfrentar a resistência inicial e depois colocou em prática o plano, pedindo a Deus que a iluminasse e que lhe desse força para superar os erros do passado. Finalmente, ela conseguiu controlar o mau comportamento de seus filhos e venceu sua tendência a perder a paciência.

Essa mulher soube reconhecer que estava perdendo o controle emocional. Ela soube reconhecer seu erro.

Não esconda seus erros de si mesmo

Nossos erros podem ser de origem comportamental, ou ainda, o resultado de uma forma distorcida de percebermos a realidade que nos cerca. Para esclarecer melhor, vou exemplificar: Quando assumimos que as pessoas não gostam de nós ou não aprendemos a planejar uma atividade que, por fim, não teve um bom desempenho, estamos cometendo, muitas vezes, um erro de percepção. Simplesmente dizemos: “Na próxima vez não tirarei conclusões tão rápido…”. Contudo, não demora e lá estamos nós fazendo a mesma coisa, nos comportando da mesma maneira, fazendo a mesma leitura equivocada da realidade. Mas, afinal, por que acontece isso? Talvez porque não sabemos reconhecer com clareza que esse é o nosso erro. Escondemos de nós mesmo que estamos errados.

A cultura da nossa sociedade nos ensina a esconder nossos erros, a repeti-los até obter sucesso e, assim, enterrar o erro no passado. Lembro-me bem de um empresário que investiu num negócio que queria trazer para o Brasil. O negócio não deu certo e ele decidiu insistir. Apesar do projeto ter funcionado corretamente, não alcançou os resultados esperados. Nessa situação ele poderia ter-se retirado e buscado outras alternativas, mas, em troca disso, voltou a insistir. Porém, a perda dessa vez foi muito maior.

A perseverança não pode ser desculpa para não aprender com os erros

Devemos sempre perseveramos em conseguir alcançar um objetivo, mas nunca em repetir os erros. Aprender com os erros implica ter humildade para reconhecê-los e mudar de rumo quando necessário.  

São Paulo é o exemplo de alguém que conduzia sua vida pelo caminho errado, mas que, quando encontrou-se com Jesus, reconheceu seus pecados, conseguiu aprender com os erros cometidos e nunca mais voltou a fazê-los. Por isso, ele dizia aos Filipenses: “O que para mim era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Mais ainda, na verdade, tudo tenho como perda comparado com a excelência do conhecimento de Cristo” (Fl 3,7-8).

O apóstolo conta aos Gálatas que quando Deus se revelou a ele, “imediatamente” deixou tudo e foi a Jerusalém à procura dos discípulos. Isso é determinação. Aquele que antes perseguia agora se tornou apóstolo, com humildade e decisão.  

Jesus nos estimula a aprender com os erros

O próprio Cristo nos adverte do perigo de não enxergarmos nossos próprios erros: “por que vês o argueiro no olho do teu irmão, e não reparas na trave que está no teu olho?” (Mt 7,3-5). O que Ele quer nos dizer é que precisamos aprender com os erros que cometemos.

O livro dos Provérbios nos diz que “o sábio ama quem o repreende, mas o insensato vem a arruinar-se” (Pr 13,1). É claro o sentido: O sábio consegue aprender com os erros e recebe com alegria a advertência de alguém que lhe ajuda a perceber o que está errado.  

Contudo, parece que ser insensato é uma virtude no nosso mundo moderno. Uma vez um senhor me dizia: “Tenho dedicado-me dez anos a esta empresa. Como vou abandoná-la agora?” Porém, era claro que nessa empresa ele não tinha mais futuro. E, neste caso, só existe uma coisa pior que dez anos mal empenhados: dez anos e um dia.

Muitas vezes repetimos os mesmos erros por falta de reflexão, agimos impulsivamente. Assim acontece, por exemplo, quando uma mulher entra em maus relacionamentos repetidas vezes. Quer romper o círculo dos erros? Reflita antes de agir. Pense para tomar uma decisão. Procure aprender com os erros para não cometê-los mais.

Um erro pode ser uma oportunidade

Um erro cometido não é necessariamente algo mau. O que precisamos é aprender a vê-lo como uma oportunidade de aprendizado. Contam que Thomas Edison, antes de inventar a lâmpada, registrou mais de mil patentes que não tiveram sucesso. Ele enxergou cada erro e buscou soluções para seus projetos até obter sucesso. Cristóvão Colombo descobriu a América por acaso, procurando por um novo caminho para a Ásia – foi um erro que permitiu uma grande novidade. Alexander Fleming descobriu a penicilina por meio de um erro cometido em testes laboratoriais.

Esses são exemplos concretos de que é possível sim aprender com os erros e, mais do que isso, que muitas vezes o próprio erro é o início do sucesso. Se isso tudo foi possível, por que deveria ser diferente nas coisas práticas de nossa vida?

Se você quer aprender com os erros que cometeu reflita com profundidade diante de Deus sobre a tua vida. Ninguém como Ele nos conhece, e diante Dele não podemos negar nossos pontos fracos. Lembre-se: Você conta com a graça para superar os defeitos. Identifique seus erros com clareza. Assuma a própria responsabilidade diante de Deus. Identifique quais são as circunstâncias que lhe criam maiores dificuldades. Faça um plano concreto para corrigir teus erros e coloque-o em prática.

Toda a vida é um aprendizado. Não apenas de nossos próprios erros, mas também dos erros e dos sucessos dos outros. São Paulo dizia: “tudo quanto, outrora, foi escrito, para nosso ensino é que foi escrito” (Rm 15,4). Quem aprende com seus próprios erros será como a árvore da qual nos fala o salmista: “É como árvore plantada junto a corrente de águas, que, no devido tempo, dá o seu fruto, e cuja folhagem não murcha; e tudo quanto ele faz será bem sucedido” (Sl 1). Quem não gostaria disso?  

Contudo, para conseguir aprender com os erros é preciso manter a mente aberta. Essa é uma das atitudes-chaves que nos permite encontrar o caminho de Deus na nossa própria vida.