Nesse Domingo em que a Igreja comemora no Brasil a Solenidade de S. Pedro e S. Paulo, Pe. Rodrigo Hurtado, LC, reflete em sua homilia sobre o exemplo de liderança desses dois homens de fé, que entregaram toda sua vida pela missão que lhes foi confiada por Deus.

Pe. Rodrigo inicia sua homilia recordando que «Deus nunca faz sua obra sozinho, ele sempre requer nossa colaboração». Ele medita que a se a Igreja chegou a ser o que é, é porque sempre encontrou discípulos e seguidores de Cristo dispostos a dar sua vida para colaborar com Deus.

Depois, Pe. Rodrigo constata que «os problemas que temos hoje, a imensa maioria, a nível social, a nível econômico, no fundo, no fundo é um problema de liderança. Hoje temos muita confusão, muita corrupção, muitas famílias desorientadas, filhos desorientados, porque nos falta esses apóstolos, esse católicos. Precisamos de líderes fortes e com valores, líderes com uma profunda fé no coração, líderes que estejam em sintonia com Deus, que sejam seguidos por todas as pessoas, não apenas pelos católicos, porque são pessoas que convencem, que transmitem uma missão, que inspiram confiança, que têm valores e que sabem apresentar a verdade e dissipar as dúvidas, as mentiras e os sofismas. Hoje nos faltam líderes bons como era Pedro, como era Paulo».

O padre então pergunta o que Pedro e Paulo tinham para serem esses líderes que firmaram os alicerces de toda a Igreja, e recorda o último versículo do livro dos Juízes (Juízes 21, 25), que constata que, naquele período em que Israel sofria, faltavam líderes e cada um do povo fazia aquilo que queria. Cada um buscava seus próprios interesses.

Ele, portanto, faz um paralelo com os dias hoje, que nos faltam líderes verdadeiros, «líderes de Deus, que saibam responder e estar à altura de sua responsabilidade». «Tantos líderes precisamos quantas responsabilidades existem numa sociedade», alerta Pe. Rodrigo.

A partir daí, Pe. Rodrigo enumera as características de liderança que Pedro e Paulo possuíam e que devem corresponder aos líderes segundo o coração de Deus.

1. Coração em sintonia com o coração de Deus

«A primeira coisa que Deus olhe é isso», ensina Pe. Rodrigo. «Ele não busca pessoas que têm muitas qualidades, Ele busca pessoas que tenham um coração em sintonia com Ele. Que sofram pelas coisas que ele sofre, que amem as coisas que Ele ama». 

Pedro amava profundamente a Deus e o relato de sua vocação que está no evangelho de João (1, 40), demonstra que ele já procurava o Messias. Quando seu irmão, André, relata-lhe ter encontrado o Messias, Pedro logo vai se encontrar com Jesus. «Pedro procurava o Messias, queria a salvação de Israel, queria o cumprimento das promessas de Deus», explica o Pe. Rodrigo.

Da mesma maneira, Paulo, ainda que perseguisse os cristãos no início, sua intenção era boa (1 Timóteo 1, 13). Pe. Rodrigo esclarece que Paulo não conhece Jesus quando esse ainda caminhava com seus apóstolos e, quando chega a Jerusalém, o que escuta sobre Jesus vem dos fariseus e, por isso, se coloca contra os cristãos. «Paulo perseguia os cristãos porque queria defender a Igreja de Deus, que ele achava que era a judaica, até que se encontrou com Cristo». 

«Como está nosso coração? Nós queremos o que Deus quer? Ou estamos tão ocupados com nossas próprias coisas, com nosso próprios projetos que nem sabemos o que Deus quer?», questiona o Pe. Rodrigo.

2. Homens dispostos a se sacrificaram por Deus

O padre continua a ensinar que Pedro e Paulo eram homens que estavam dispostos a enfrentrar muitas coisas. «Tinham um coração disponível para Deus. Essa é outra característica importante dos líderes de Deus, dos apóstolos de Deus». 

Quando Jesus chamou Pedro, ele era um micro-empresário, não era um homem pobre. Tinha mais de uma barca. Jesus foi e pregou na barca de Pedro. (Mt 4, 19) e convidou aquele homem a ser pescador de homens. «Pedro imediatamente deixou as redes e seguiu Jesus. Pedro não pensou duas vezes porque seu coração estava disponível para Deus», reflete o padre.

«Muitas vezes, Deus nos chama, nos pede coisas, mas não estamos disponíveis. Temos nossos próprios interesses, nossas próprias ocupações», continua o Pe. Rodrigo que recorda ainda que «se você está ocupado demais para poder rezar, você está ocupado demais».

Segundo o Pe. Rodrigo, «Paulo também estava disponível, porque amava a verdade». «Estava no caminho errado, mas quando Deus aparece para ele, imediatamente (Gal 1, 15) ele muda o caminho. Quando se encontra com Jesus, muda 180º sua direção, porque tinha o coração disponível». 

«Deus é a primeira prioridade. Deus é a primeira coisa que importa em minha vida», reforça Pe. Rodrigo.

3. Homens de caráter

Pedro e Paulo tinham um coração capaz de perseverar. Não eram homens fracos. Essa característica é muito importante. «Para seguir a Jesus é preciso caráter, fortaleza, perseverança». 

«O verdadeiro apóstolo não se caracteriza tanto pelo carisma, mas pelo caráter», afirma Pe. Rodrigo. «Nós nascemos com carisma, com nossa personalidade, com nossas qualidades, mas a verdadeira liderança não está alicerçada no carisma. Cristo precisa de homens que vão ser fieis até o final». 

O padre indica que muitos começam a seguir a Cristo quando tudo está indo bem, quando tudo está triunfando. Mas, quando chegam as provocações, as dificuldades, o que acontece? «Aí se mede o caráter de uma pessoa, não quando estamos eufóricos, ou com fervor, mas quando chegam as provações».

«Pedro aprenderá esse amor com caráter pouco a pouco», diz o Pe. Rodrigo. «Nós somos fracos espiritualmente, mas Cristo nos forma e nos prepara para que nós vençamos os obstáculos e nos tornemos católicos de caráter. Não podemos ser católicos só quando não temos dificuldades. O verdadeiro líder que Deus está buscando é fiel a todo momento».

Paulo também confessa a Timóteo, já na prisão, esperando ser executado, que combateu o bom combate, completou a corrida (2 Tim 4, 7). «Paulo chegou até o final. Pedro chegou até o final. Eram homens de caráter e por isso fizeram uma grande obra para Deus».

4. Eram homens de confiança

Pedro e Paulo foram homens fiéis até o último dia de sua vida. Por isso, os dois entregaram sua vida como mártires em Roma. 

A carta de S. Paulo aos coríntios traz algo que devemos pensar:

O que se requer dos administradores é que cada um seja encontrado fiel”

(1 Coríntios 4, 2)

«Nós somos administradores dos dons, da vida, de tantos bens, de tantas oportunidades que Deus nos deu, e diz Paulo, o que se espera de um administrador é que seja fiel», ilustra o Pe. Rodrigo.

«Sabe qual é a prova da liderança? A prova da liderança é esta: Alguém está te seguindo? Se alguém está te seguindo, você é líder. E, mais ainda, você tem uma responsabilidade porque Deus te deu essa liderança, então, o que você está fazendo com essa liderança que Deus te deu?»

Jesus também fala isso a seus discípulos:

“Quem é fiel no mínimo, também é fiel no muito; quem é injusto no mínimo, também é injusto no muito. Pois, se nas riquezas injustas não fostes fiéis, quem vos confiará as verdadeiras? E, se no alheio não fostes fiéis, quem vos dará o que é vosso?”

(Lucas 16, 10 – 13)

Nessa passagem, Pe. Rodrigo explica que Jesus nos oferece três parâmetros para medir a fidelidade de uma pessoa. Primeiro, os que são fiéis nas coisas pequenas, também serão nas coisas grandes. Depois, fala das riquezas injustas, isto é, as riquezas falsas, as que não duram. Aquelas que não posso levar para a Vida Eterna. As verdadeiras são aquelas riquezas que Deus nos dá na alma. Se eu não sou fiel nas coisas materiais, Deus não vai me conceder as coisas espirituais. Em terceiro lugar, ele fala do alheio, porque tudo o que temos nesse mundo não é nosso, foi dado por Deus. Se não sou bom em administrar o que não é meu, como Deus me dará aquilo que me pertence.

Se nós somos fieis nas coisas pequenas, Deus nos concederá grandes coisas. «Pedro e Paulo foram fieis nas pequenas coisas, por isso eles fizeram grandes obras, por isso chegaram a fazer toda essa fundação da Igreja primitiva, colaborando com Deus em uma magnitude impressionante, que foi alicerce de toda a Igreja de Deus no mundo inteiro», demonstra o Pe. Rodrigo.

Ao encerrar sua homilia, o Pe. Rodrigo pede que nós também possamos «medir quanto é nossa fidelidade nas coisas pequenas para que Deus nos possa conceder as grandes. Como Pedro e como Paulo, que ao final, entregaram sua vida a Deus pela causa da Igreja. Esses dois apóstolos, Pedro e Paulo, nos dão um verdadeiro exemplo daqueles líderes que o mundo de hoje precisa».

* O padre também está lançando o curso Líderes segundo o coração de Deus, que está baseado na história de um personagem bíblico que se chama Neemias. É um curso muito amplo, um comentário sobre a vida de Neemias, que fez uma obra muito grande em Israel. Você irá descobrir que os princípios de liderança de um homem de Deus são os mesmos princípios de liderança que valem para os desafios do mundo moderno:  https://bit.ly/2Uo1jyC

* Pe Rodrigo Hurtado, LC, idealizador do aplicativo de meditações católicas Seedtime, celebra a Missa todo domingo em seu Canal de YouTube. Inscreva-se, ative as notificações, deixe seu like e compartilhe.